Papa ambientalista

Por Reinaldo José Lopes

São só dois parágrafos, mas que valem quase por um tratado. Em sua exortação apostólica “Evangelii Gaudium”, publicada nesta semana, o papa Francisco, creio, marca época ao fazer a defesa mais clara e lírica da proteção ambiental a sair da pena de um pontífice católico até hoje. Vale a pena ler.

Francisco comparou a fragilidade de outras formas de vida à dos seres humanos em situação de exclusão.

“Refiro-me ao conjunto da criação. Nós, seres humanos, não somos meros beneficiários das demais criaturas, mas sim guardiões delas. Por nossa realidade corpórea, Deus nos uniu de forma tão estreita ao mundo que nos rodeia que a desertificação do solo é como uma doença para cada um de nós, e podemos lamentar a extinção de uma espécie como se fosse uma mutilação.”

Amém.