Arte neandertal?

Por Reinaldo José Lopes

Essa parece ser mais uma da série “falando no diabo, aparece o rabo”. Bastou eu postar algumas declarações de Clive Finlayson, diretor do Museu de Gibraltar, sobre o sumiço dos neandertais da Europa, para o sujeito aparecer com um publicação de impacto. Em artigo na revista científica “PNAS”, alguns dias atrás, em parceria com um grande grupo de cientistas espanhóis e de outros lugares da Europa, ele afirma ter descoberto o que seria um exemplo de arte abstrata produzida por neandertais. Tá aqui, ó:

Seria esse um exemplo de arte neandertal? (Crédito: Divulgação)
Seria esse um exemplo de arte neandertal? (Crédito: Divulgação)

O local, de novo, é a célebre caverna de Gorham, em Gibraltar. O achado foi feito logo abaixo de uma camada de artefatos de estilo tipicamente neandertal, datada de 39 mil anos atrás — portanto, raciocinam os pesquisadores, é algo que precede essa data e claramente estaria ligado à ocupação neandertal da caverna, já que os humanos modernos só deram as caras por lá depois.

Eles afirmam ainda que as marcas na pedra seriam algum tipo de manifestação artística porque 1)foram resultado da passagem repetitiva de ferramentas de pedra pelo substrato, de forma claramente intencional e 2)não parecem ter ligação com coisas como processamento de alimentos, fabricação de ferramentas etc.

É muito difícil estabelecer qualquer coisa de certo nessa seara, mas noto aqui de passagem a semelhança com o que é considerado quase universalmente como o primeiro exemplo de arte feita por humanos modernos, achada na caverna de Blombos, África do Sul, e datada de uns 80 mil anos atrás. Veja abaixo.

Suposto exemplo de arte abstrata com 77 mil anos. (Crédito: Divulgação)

Suposto exemplo de arte abstrata com 77 mil anos. (Crédito: Divulgação)

Coisas bem parecidas? Eu tenderia a dizer que sim.

Lembrando que muita gente acha que os neandertais eram incapazes desse tipo de manifestação. E aí, qual é o seu veredicto?

——

Quer saber quem sou? Confira meu currículo Lattes

Siga-me no Twitter ou no Facebook

Conheça “Além de Darwin”, meu primeiro livro de divulgação científica