O engodo do hebraico bíblico

Por Reinaldo José Lopes

Dizem por aí que você precisa gastar o dobro ou o triplo da energia que despenderia ao propagar uma informação correta para tentar derrubar uma informação falsa. Senti isso na pele num dos nossos últimos vídeos, quando tentei explicar por que o tradutor italiano Mauro Biglino, especialista em hebraico bíblico, estava falando bobagem ao defender a sua tese de que o Antigo Testamento não fala de Deus.

Muitos defensores do sujeito apareceram por lá, repetindo um argumento simplesmente atroz: o de que o hebraico bíblico nem tinha uma palavra para designar Deus ou deuses. O absurdo é gigantesco, porque ignora todo o pano de fundo histórico e cultural no qual o povo de Israel e o hebraico se desenvolveram. Tento explicar isso em um novo vídeo. Confira. Logo abaixo, coloco também o vídeo original para vocês sentirem melhor o drama da polêmica.

Eis o novo:

E eis o anterior:

———————-

Visite o novo canal do blog no YouTube!

Conheça meus livros de divulgação científica

Conheça e curta a página do blog Darwin e Deus no Facebook

Quer saber quem sou? Confira meu currículo Lattes

Siga-me no Twitter ou no Facebook