Darwin e Deus

Um blog sobre teoria da evolução, ciência, religião e a terra de ninguém entre elas

 -

Blog aborda os mais recentes estudos sobre a evolução do homem e dos demais seres vivos, explica o que a ciência tem a dizer sobre o fenômeno da fé e a história das religiões. É produzido pelo jornalista Reinaldo José Lopes.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Compaixão primata

Por Reinaldo José Lopes

A semelhança entre o Homo sapiens e os primatas não humanos é tamanha que abrange não só as características comuns a todos os membros dessas espécies como também o resultado de certos acidentes biológicos — disfunções de origem genética, por exemplo. O que nos leva ao caso de Azalea.

Azalea, uma fêmea de macaco reso (Macaca mulatta), nasceu num bando de sua espécie que vivia num zoológico, e seu DNA continha uma trissomia — ou seja, a presença de três cromossomos, em vez do parzinho “normal”. Era, para todos os efeitos, uma macaca com síndrome de Down, porque é exatamente essa anomalia cromossômica, nos trechos de DNA equivalentes em humanos, que leva à condição das pessoas com Down (mais precisamente, uma trissomia do cromossomo 21).

As semelhanças entre Azalea e seres humanos com síndrome de Down não terminam aí. Sua mãe ficou grávida dela numa idade relativamente avançada — o que, como sabemos no caso da nossa espécie, de fato aumenta a probabilidade de ter um filho com a trissomia do 21. A macaca teve dificuldades consideráveis em seu desenvolvimento motor. E, podemos acrescentar, também em seu desenvolvimento intelectual: cometia o erro de ameaçar o macho alfa (líder) do bando, coisa que macacos resos normais muito raramente ousam fazer.

Mas adivinhe só: nem o alfa nem os outros animais do bando costumavam punir Azalea por esse tipo de escorregada, embora a espécie em geral seja bastante intolerante em relação a transgressões da hierarquia socia. Aparentemente, sabiam que ela não fazia por mal e que não tinha capacidade de aprender quando devia ficar no seu canto. Ela morreu de causas naturais aos três anos de idade.

A história é mais uma das pérolas narrativas do primatólogo holandês Frans de Waal.

Blogs da Folha