Darwin e Deus

Um blog sobre teoria da evolução, ciência, religião e a terra de ninguém entre elas

 -

Blog aborda os mais recentes estudos sobre a evolução do homem e dos demais seres vivos, explica o que a ciência tem a dizer sobre o fenômeno da fé e a história das religiões. É produzido pelo jornalista Reinaldo José Lopes.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Vanzo e seus incríveis lagartos evoluídos amestrados

Por Reinaldo José Lopes

Merecidamente, Paulo Emílio Vanzolini e seu triste falecimento tomaram conta da crônica científica e cultural dos últimos dias — os amigos e colegas Rafael Garcia, Marcelo Leite e Claudio Angelo, por exemplo, já escreveram magistralmente sobre o zoólogo mais rabugento e talentoso da história da ciência brasileira, e até eu cometi um textinho aqui.

Mas, como o biólogo-compositor já foi mais que cantado em prosa e verso, gostaria de chamar a atenção para um grupo de simpáticos lagartos, um dos quais o inspirou a criar a célebre teoria dos refúgios (segundo a qual a contração da mata amazônica durante a Era do Gelo teria ajudado a criar nossa imensa biodiversidade). E, quando se olha o conjunto das quase 400 espécies de lagartos do gênero Anolis, o efeito evolutivo é ainda mais majestoso — e curioso.

Os Anolis amazônicos são primos dos lagartos do gênero que vivem no Caribe, e os répteis caribenhos é que se tornaram uma espécie de garotos-propaganda da teoria da evolução. São comuns em Cuba, na ilha de Hispaniola (Haiti e República Dominicana), em Porto Rico e na Jamaica. Olha eles aí.

Lagartos do gênero “Anolis”: diversidade é apelido

A coisa interessante e maluca a respeito dos Anolis são os chamados ecomorfos — formas dos bichos adaptadas a ambientes distintos. Há os bichos corredores de pernas compridas, que se revezam entre o solo e o tronco das árvores grandes; os de dedos especializados para se agarrar ao topo das árvores; e os de patinhas curtas, cujo principal truque é se agarrar à ponta de pequenos galhos e outras superfícies estreitas.

Detalhe: cada ilha tem a sua própria variedade de cada um dos ecomorfos. Pergunta que não quer calar: será que uma única espécie original de escalador (digamos) foi sendo levada pelas ondas de ilha em ilha do Caribe até colonizar todas, ou as formas descendem de ancestrais comuns que foram se diversificando?

O consenso entre os especialistas é que, no geral, a segunda alternativa é verdadeira — embora em alguns casos de colonização recente a primeira versão da hipótese também tenha se confirmado. Uma espécie de pernas curtas, por exemplo, pode ter dado origem às de corredores, por exemplo.

Trata-se de um dos casos mais clássicos do que se costuma chamar de radiação adaptativa — f0rmas de vida se diversificando, a partir de uma condição ancestral, para preencher os “buracos” deixados pela natureza em locais onde antes não havia seres vivos especializados em determinado estilo de vida. Como dizem na série Jurassic Park, “Life finds a way” — a vida encontra um caminho.

Blogs da Folha