Darwin e Deus

Um blog sobre teoria da evolução, ciência, religião e a terra de ninguém entre elas

 -

Blog aborda os mais recentes estudos sobre a evolução do homem e dos demais seres vivos, explica o que a ciência tem a dizer sobre o fenômeno da fé e a história das religiões. É produzido pelo jornalista Reinaldo José Lopes.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

George, com amor, para sempre

Por Reinaldo José Lopes

Leio no site da revista “Scientific American” que George, o Solitário, macho de tartaruga-das-galápagos que era o último de sua espécie e que faleceu pouco mais de um ano atrás, está sendo carinhosamente preparado por taxidermistas  do Museu Americano de História Natural para retornar ao seu arquipélago natal, agora empalhado.

George, o Solitário, ainda em vida

George, originalmente membro da espécie ou subespécie (há controvérsias) nativa da ilha de Pinta (Chelonoidis nigra abingdonii), é um dos exemplos mais pungentes do estrago que a Era das Navegações causou nas populações de animais típicas de ilhas oceânicas. Nas Galápagos, no Pacífico, as tartarugas eram consideradas uma excelente fonte de proteína fresca móvel — conseguiam sobreviver muito tempo a bordo dos barcos sem comida e eram abatidas de acordo com a necessidade.

Os biólogos que trabalham nas Galápagos tentaram de tudo para que George cruzasse com fêmeas colocadas à sua disposição, mas nada de aparecerem filhotes. Hoje, graças às análises de DNA, sabe-se que existem alguns “mestiços” (híbridos) da espécie dele com outras tartarugas do arquipélago. Há a chance de recriar, de certo modo, a espécie perdida por meio de cruzamentos cuidadosos entre esses bichos.

Que George continue sendo um memorial dessa história toda.

Blogs da Folha