Arquivo - Categoria: Paleontologia

Um elefante incomoda?

Com a crise político-econômica constrangedora dos últimos meses dilacerando o país, sou capaz de apostar que muita gente regozijar-se-ia caso uma manada de elefantes de repente invadisse Brasília, adentrasse os principais estabelecimentos do Executivo e do Legislativo federais e pisoteasse tudo pelo caminho. Acontece que, para alguns biólogos e ecólogos, há boas razões evolutivas para(…)

“Caçadores de Fósseis” vira livro

Aviso aos navegantes que moram no Rio de Janeiro ou estão visitando a Cidade Maravilhosa nesta sexta: não percam o lançamento de “Caçadores de Fósseis”, mais novo livro do paleontólogo Alexander Kellner, do Museu Nacional da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Kellner é um dos maiores especialistas do mundo em pterossauros, os répteis(…)

Cobras e lagartos

Este post é minha tentativa de corrigir uma injustiça, ou pelo menos uma omissão das grandes. Escrevi recentemente sobre um bicho fóssil fascinante, o Gueragama sulamericana, um lagarto paranaense que é membro de um grupo de répteis que hoje só existe no Velho Mundo. Acabei, porém, não conseguindo entrevistar para essa reportagem o autor principal da(…)

Um hominídeo muito louco

Faz quase 15 anos que eu acompanho as principais descobertas sobre evolução humana atuando como repórter de ciência, e devo dizer que os estudos publicados hoje sobre o Homo naledi, que talvez seja uma nova espécie do gênero biológico ao qual todos nós pertencemos, o Homo, bateram vários recordes de esquisitice. Resolvi, portanto, tentar preparar um guia(…)

Lagosta gigante do Demo

Talvez eu esteja exagerando nos adjetivos aqui, mas é só um pouquinho. O bicho não era uma lagosta nem, óbvio, tinha pacto com o Cramulhão, mas sou capaz de apostar que até ateus se persignariam diante do Pentecopterus decorahensis, um escorpião-do-mar que media quase 2 metros de comprimento e viveu há 460 milhões de anos na(…)

O tatuzão é nosso

Apesar do estranho e triste caso da cobra de quatro patas (veja aqui e aqui), a paleontologia brasileira não vive só de tragédias — muito pelo contrário, aliás. Foi com imenso prazer que fiquei sabendo da descoberta de um completíssimo exemplar de tatu-gigante numa caverna na região de Iramaia, na Chapada Diamantina, realizada por espeleólogos(…)

Pirataria paleontológica

O fóssil da foto abaixo é indiscutivelmente espetacular: nada menos do que uma serpente primitiva com quatro patas, segundo os paleontólogos que o descreveram. Mas também é um exemplo de como parte importantíssima da riqueza paleontológica do Brasil tem se esvaído pelos nossos dedos. Como contei em reportagem recente nesta Folha, é virtualmente certo que a(…)

Asa de morcego, fuça de dino

Não, não é feitiço, é fóssil mesmo, minha gente — mais especificamente o Yi qi, um dinossauro recém-descoberto na China e o primeiro que parece ter asas membranosas, como as dos morcegos. (Não é pterossauro, que é um tipo de bicho totalmente diferente). Escrevi sobre a criatura para a Folha impressa não faz muito tempo, mas não(…)

Sobre aves e peixeiros

Uma das descobertas mais legais e inusitadas da paleontologia brasileira nas últimas décadas veio a público nesta quarta: uma avezinha de 115 milhões de anos que viveu no Ceará, com anatomia quase completamente preservada em forma de fóssil, conforme conto em reportagem para esta Folha. Seria sensacional se eu pudesse falar apenas das características do(…)

A verdade late

Já que entrei numas de atacar  as “hidras de Lerna” nascidas das concepções erradas que muita gente tem sobre a teoria da evolução (para mais detalhes sobre esse conceito, confira por obséquio este post recente), talvez seja bacana partir para cima de mais uma serpente mitológica de muitas cabeças. Trata-se da ideia de que, mesmo(…)